TCU avalia licitação para exploração de satélite

Tribunal ajustou o preço mínimo da licitação para R$ 3,9 milhões

O Tribunal de Contas da União (TCU) avaliou os estudos de viabilidade técnica e econômica da licitação para a venda de posição orbital 45º Oeste, espaço destinado a colocar um satélite em operação. A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) cobraria cerca de R$ 6 milhões para revender a posição, mas o TCU encontrou preços 35% mais baixos. Diante disso, o Tribunal ajustou o preço mínimo da licitação para R$ 3,9 milhões.

Os diversos critérios para o cálculo do custo ponderado de capital, dos investimentos a serem realizados e do risco do prêmio, entre outros, foram os fatores que levaram a essa diferença de valores entre a estimativa do TCU e a da Anatel.

Tanto a posição orbital quanto as faixas de frequência associadas já foram entregues pela Anatel a empresa por meio de Termo de Direito de Exploração de Satélite em 2012. A empresa exploradora, no entanto, não colocou o segmento espacial em operação no prazo determinado pelo edital, o que fez com que o País não tivesse, ainda, satélite operante em tal posição. Caso isso não ocorra até novembro deste ano, o Brasil perderá, junto à União Internacional de Telecomunicações (UIT), o direito à ocupação desse espaço orbital.

Devido ao prazo apertado, é possível que não haja viabilidade técnica de que a empresa interessada construa e lance o satélite e, consequentemente, precise alugar algum que já esteja no espaço (conhecido como gap filler). Esse aluguel, estimado em R$26 milhões, é mais um fator que justificou a redução do preço mínimo, conforme apontou o ministro-substituto Augusto Sherman Cavalcanti, relator do processo no TCU.

Fonte: TCU

Complementos

Comissão acompanhará licitação para satélite nacional

> Visualizar

Comentários

Nenhum comentário até o momento