CGU divulga lista de empresas aprovadas no Pró-Ética 2017

Conheça as 23 companhias reconhecidas pelas relações entre setores público e privado

O Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU) divulgou as 23 empresas aprovadas na edição 2017 do Pró-Ética. As companhias foram reconhecidas, por relevantes instâncias governamentais e da sociedade civil, como íntegras e éticas nas suas relações entre os setores público e privado. O anúncio foi realizado durante a 4º Conferência Lei da Empresa Limpa, em Brasília (DF). 

Dessas, 15 são empresas de grande porte; sete médias e uma pequena. Com relação ao setor de atuação, a distribuição encontra-se por: indústrias de transformação (8), eletricidade e gás (5), atividades científicas (3), saúde humana e serviços sociais (2), atividades financeiras (2), atividades administrativas (1), informação e comunicação (1) e construção (1). 

O Pró-Ética, iniciativa pioneira na América Latina, foi criado pela CGU em 2010 em parceria com o Instituto Ethos. O objetivo é incentivar nas empresas a adoção de políticas e ações necessárias para se criar um ambiente íntegro, que reduza os riscos de ocorrência de fraude e corrupção.

Confira as empresas reconhecidas em 2017:

  1. 3M do Brasil
  2. ABB Ltda.
  3. Alubar Metais e Cabos S.A.
  4. Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE)
  5. Chiesi Farmacêutica Ltda.
  6. CPFL Energia S.A.
  7. Duratex S.A.
  8. Elektro Redes S.A
  9. Enel Brasil S.A.
  10. Ernst & Young Auditores Independentes S/S
  11. Fleury S.A.
  12. GranBio Investimentos S.A.
  13. GranEnergia Investimentos S.A.
  14. ICTS Global Serviços de Consultoria em Gestão de Riscos Ltda.
  15. Itaú Unibanco Holding S.A.
  16. Natura Cosméticos S.A.
  17. Neoenergia S.A.
  18. Nova/sb Comunicação Ltda.
  19. Radix Engenharia e Desenvolvimento de Software S.A.
  20. Siemens Ltda.
  21. Souza Cruz Ltda.
  22. Tecnew Consultoria de Informática Ltda.
  23. Unimed Belo Horizonte Cooperativa de Trabalho Médico.

Fonte: CGU

Complementos

Empresas são declaradas inidôneas por fraudes em licitações

> Visualizar

Comentários

Nenhum comentário até o momento